Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ARESTAS

ARESTAS

Tradução: O que é o Hamas

 

 

Por Alain Gresh, Quarta-feira 28 de Janeiro de 2009 - 20h:45, Les blogs du Diplo

 

O Hamas suscita, neste blogue e noutras partes, muito pavor e fantasmas, frequentemente fundamentados num desconhecimento do movimento, da sua história e das suas evoluções. Antes de chegar a esta reflexão, assinalemos que o Le Monde diplomatique de Fevereiro, em venda nos quiosques, dedica um suplemento de seis páginas aos acontecimentos de Gaza e às suas consequências na região.

Assinalemos também, que alguns colaboradores deste blog já reflectiram sobre o assunto, tal como a crónica escrita pelo príncipe saudita Turki Al-Fayçal no jornal diário britânico Financial Times, cujo eco é importante (« Saudi patience is running out », 22 de Janeiro), acusando o presidente Bush de ter deixado a região à desordem, alertando para o facto de que as iniciativas de paz podem já não estar na ordem do dia e que então a Arábia Saudita virará as costas ao ocidente, revelando que o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad escreveu uma carta ao soberano saudita Abdallah onde reconhece o papel orientador da Arábia no mundo muçulmano e rogando-o de tomar uma firme posição quanto aos massacres de Gaza.

O príncipe indica que « até agora o reino, não respondeu aos apelos, mas que cada dia que passa torna este silêncio mais difícil de explicar, enquanto Israel mata deliberadamente Palestinianos, se apropria das suas terras, destrói as suas casas, desenraíza as quintas e impõe um bloqueio desumano. (…) No final, o reino já não será capaz de impedir os seus cidadãos de participar no protesto mundial contra Israel»

Voltemos ao Hamas e lembremos os elementos da sua história. O Movimento da resistência islâmica (cujo acrónimo em árabe é «Hamas» e que significa «zelo») foi criado pela Sociedade da Irmandade muçulmana em Dezembro de 1987, no dia seguinte ao início da primeira Intifada. O Hamas desenvolve-se em primeiro em Gaza, que permanecerá o seu principal feudo antes de estender as suas actividades à Cisjordânia.

Porque é que a Irmandade muçulmana tomou a decisão de criar uma organização de combate? Após a derrota árabe de Junho 1967, a Irmandade muçulmana demorou vários anos para se reorganizar. Aproveita-se então da onda islamista emergente na região. Nos territórios ocupados, a Irmandade constrói uma rede de instituições sociais consistente à volta das mesquitas : jardins-de-infância, bibliotecas, clínicas, clubes desportivos, etc. Entre 1967 e 1987, o número de mesquitas passa de 400 a 750 na Cisjordânia, de 200 a 600 em Gaza. O Centro islâmico de Gaza, criado em 1973 e dirigido pelo Sheik Ahmed Yassine, torna-se o coração da Irmandade. A organização conta com o apoio importante do estrangeiro, nomeadamente da Arábia Saudita que lhe propicia meios consideráveis.

No entanto, apesar dos meios e dos trunfos, a Irmandade muçulmana sofre da sua passividade frente à ocupação durante os anos de 1970 a 1980. Apesar do objectivo ser a libertação da Palestina, dão maior importância à reforma da sociedade – dai a relativa inércia no combate nacionalista. Os serviços de informações israelitas percebem esta postura tão bem que revelam uma verdadeira brandura pela Irmandade, considerada como um contrapeso, bastante útil, à OLP. Em 1980, dá-se uma cisão no movimento : a jihad islâmica condena a passividade da Irmandade e envolve-se na acção violenta.

A decisão de criar o movimento do Hamas e de participar na Intifada revela uma verdadeira evolução da Sociedade da Irmandade muçulmana onde jovens militantes tiveram responsabilidades. O Hamas será muito activo durante a «revolta das pedras», não hesitando em ficar longe da direcção unificada que se reclamava da OLP. Muito bem estruturada, próxima dos indigentes, gozando da aura religiosa, o movimento afirma-se como um sério concorrente da Fatah e da OLP. Cria um ramo militar, as brigadas Ezzedine Al Kassam. Um episódio terá um papel importante na história do movimento : em Dezembro de 1991, o primeiro ministro israelita Itzhak Rabin expulsa 415 militantes para o Líbano. Estes regressarão, mas esta repressão aumenta a popularidade da organização e favorece os seus primeiros contactos com o Hezbollah.

O Hamas adopta a sua Carta, a 18 de Agosto de 1988. Reconhece a sua filiação com a organização da Irmandade muçulmana. O Hamas « considera que a terra de Palestina é uma terra islâmica waqf [1] para todas as gerações de muçulmanos até ao dia da ressurreição ». Enfim, apesar das rivalidades – e por vezes dos confrontos -, o Hamas declara sobre a OLP : « A nossa pátria é una, a nossa infelicidade é una, o nosso destino é uno e o nosso inimigo é comum. ». É essencialmente no que concerne a política e não a religião que o Hamas se opõe à OLP: retoma as teses dominantes na OLP antes de 1975, ou seja, a libertação de toda a Palestina. Finalmente o texto da Carta tem conotações anti-semitas, com uma referência ao Protocolo dos sábios de Sião (um documento falso criado pela polícia czarista no inicio do século XX) e também uma denúncia das «conspirações» das lojas maçónicas, dos Clubes dos Rotários e Lyons...

Estas anotações anti-semitas são condenáveis e amplamente condenadas. Temos que confessar que os delírios, nomeadamente sobre o Protocolo dos sábios de Sião, encontram-se frequentemente em alguns livros e artigos publicados no mundo árabe. Quando interrogados a este respeito, os dirigentes do Hamas afirmam que só se deve considerar a plataforma defendida durante a campanha de 2006 (ler abaixo) argumento que não é aceitável no que diz respeito ao protocolo de Sião.

Jean-François Legrain sublinha uma característica do Hamas:

« Um segundo contra-senso tende a fazer do Hamas um movimento nacionalista com um discurso religioso quando se trata fundamentalmente de um movimento de ressocialização religiosa, mas com uma agenda política. (…)o Hamas, mesmo que tivesse quase instantaneamente engolido  a Associação da Irmandade muçulmana, de que ao inicio apenas era o «braço», tinha, por razão de ser essencial no espírito de Sheik Yassine, somente a sua missão de da’wa (predicação activa do islão)à qual estavam estritamente subordinados o politico e o militar.  Várias vezes, a sua apreensão das relações de força com Israel e a Autoridade palestiniana conduziu o Hamas ao oposto da atitude de qualquer movimento de libertação nacional, a manter uma distância tanto com os militares (as diferentes tréguas de 1995, 1996 e destes últimos anos), como com os políticos (por exemplo e de forma surpreendente, no dia seguinte à ronda triunfal do Sheik Yassine no mundo muçulmano à sua saída de prisão em 1998). O Hamas voltou-se portanto para a rede associativa sujeita às suas exigências de mobilização moral, havendo apenas algumas células manifestando a sua desaprovação por iniciativas militares locais»

Segundo a lógica do seu programa político, o Hamas condena os acordos de Oslo assinados a 13 de Setembro de 1993. Mas a instalação da Autoridade palestiniana em Gaza em 1994 trouxe novos desafios à organização, dividida entre a sua retórica de libertação total da Palestina, a sua vontade de não provocar uma guerra civil inter-palestiniana e a sua determinação em preservar a sua rede associativa. O Hamas inicia um diálogo com Yasser Arafat. Este tendo o pão e o queijo na mão, multiplica as detenções e as intimidações enquanto mantém um diálogo com a organização e autoriza alguns dos seus órgãos de imprensa. No final de 1995, parece conseguir a participação do movimento nas eleições para o parlamento palestiniano de Janeiro de 1996, mas isto não é levado a cabo.

O assassinato de Itzhak Rabin em Novembro de 1995, a escalada entre as forças israelitas e o Hamas  - marcada por uma vaga de atentados suicidas no início de 1996 -, a extensão permanente da colonização, a vitória de Benjamin Netanyahou às eleições legislativas israelitas vão mudar os dados.  Apesar da vitória de Ehoud Barak nas eleições de1999, as negociações de paz fracassarão (em grande parte por causa do governo israelita ler « Le “véritable visage” de M. Ehoud Barak, Le Monde diplomatique, juillet 2002) e rebenta a segunda Intifada em Setembro de 2000.

A morte de Arafat, a eleição de Mahmoud Abbas como chefe da Autoridade e a convocação de novas eleições legislativas palestinianas em Janeiro de 2006 marcam uma nova etapa nos territórios ocupados. O escrutínio vai confirmar a evolução do movimento do Hamas para um maior pragmatismo. Enquanto tinha rejeitado os acordos de Oslo e todas as instituições relacionadas, o Hamas aceita participar nas eleições de Janeiro de 2006. Vários dos seus dirigentes, entre os quais o Sheik Yassine, assassinado pela armada israelita em 2004, afirmaram que aceitavam a criação de um Estado palestiniano sobre os territórios ocupados de 1967. O programa político defendido durante a campanha eleitoral não tem nada a ver com o conteúdo da Carta de 1988 (ler Paul Delmotte, « Le Hamas et la reconnaissance d’Israël », Le Monde diplomatique, janvier 2007).

É importante lembrar as duas razões que levaram os Palestinianos a votarem para o Hamas : a corrupção da Autoridade palestiniana (e portanto da Fatah) e, sobretudo o facto que a via escolhida pela Fatah em Oslo, aquela da negociação e do abandono da luta armada, tinha fracassado. O Hamas não está contra as negociações, mas pensa que devem ser acompanhadas por uma pressão militar (era a posição defendida por uma parte dos dirigentes da Fatah no início da segunda Intifada, nomeadamente por Marwan Barghouti).

Há vários meses que o Hamas tem multiplicado as suas declarações neste sentido. O antigo presidente americano Jimmy Carter encontrou-se com os dirigentes do Hamas em Gaza assim como com Khaled Mechaal, o chefe da secção política do Hamas em Damas. Carter escreve : Após longas conversações com os dirigentes de Gaza, os dirigentes do Hamas (em Damas) afirmaram que « aceitariam todo o acordo de paz negociado entre os Israelitas e a Autoridade palestiniana Mahmoud Abbas, que também dirige a OLP, com a condição de que este acordo seja aceite pelos Palestinianos por referendo ou por um governo de união nacional eleito». « An Unnecessary War » (Washington Post, 8 de Janeiro). Durante uma entrevista minha em Damas em Dezembro, Khaled Mechaal declarou : « O Hamas e as forças palestinianas ofereceram uma ocasião de ouro para trazer uma solução razoável ao conflito israelo-árabe. Infelizmente, ninguém aproveitou a ocasião, nem a administração americana, nem a Europa, nem o Quarteto. A nossa boa vontade confrontou-se à recusa israelita que ninguém tem a capacidade ou a vontade de superar. No documento de entendimento nacional de 2006 assinado com todas as forças palestinianas (excepto a jihad islâmica), afirmamos a nossa aceitação de um Estado palestiniano nas fronteiras de 4 de Junho de 1967, com Jerusalém por capital, sem colonatos e com a sujeição ao direito ao retorno (mawdou’). É o programa comum das forças palestinianas. Algumas querem mais, outras menos. Este programa tem três anos. Os Árabes querem algo semelhante. O problema está em Israel. Os Estados Unidos desempenham um papel de espectador nas negociações e apoiam as reticências israelitas. O problema não é portanto o Hamas, nem os países árabes: o problema é israelita. »

Porque é que o Hamas promove a violência ? O seu argumento principal é que a via da única negociação adoptada pela OLP em 1993 não resultou. Podemos também verificar que a Autoridade sob a direcção de Mahmoud Abbas, que negocia um acordo de paz desde 2005 não conseguiu fazer com que o governo israelita aceitasse a criação de um Estado palestiniano sobre todos os territórios ocupados em 1967 com Jerusalém por capital.

Finalmente, uma última observação acerca da violência contra os civis. Toda a morte de um civil é uma morte a mais. Mas se condenamos os rockets do Hamas, será que não deveríamos em primeiro condenar os crimes cometidos por um Estado organizado, membro das Nações Unidas? O terrorismo de Estado não será mais condenável do que qualquer terrorismo ? Lembro mais uma vez o que escrevia Nelson Mandela, evocando as suas negociações com o governo branco sul-africano e os seus pedidos para parar a violência, Nelson Mandela escreveu : « Respondia que o Estado era responsável da violência e que é sempre o opressor, e não o oprimido, que determina a forma da luta. Se o opressor usa da violência, o oprimido não terá outra hipótese senão responder com violência. No nosso caso, era apenas uma forma de legítima defesa. »

Podemos confiar no Hamas, enquanto a sua carta não for ab-rogada? Lembremos que a mesma pergunta foi feita à OLP e a Yasser Arafat e que os acordos de Oslo foram assinados antes da anulação oficial da carta pelo Conselho nacional palestiniano. Durante duas décadas, Israel e os Estados Unidos recusaram qualquer contacto com a organização por causa disso e pretendendo que era uma organização terrorista; naquele momento este ostracismo foi recusado pela França e muitos países europeus.  

A União europeia e os Estados Unidos impõem três condições ao diálogo com o Hamas : que reconheça o Estado de Israel ; que renuncie à violência, que reconheça os acordos de Oslo. Mas é necessário sublinhar duas questões : porque é que o diálogo com o governo israelita não está submetido às mesmas condições? Porque é que Israel não reconhece um Estado palestiniano nas fronteiras de 1967 ? Porque é que não renúncia à violência? Porque é que construiu colonatos nos territórios ocupados violando os acordos de Oslo (e do direito internacional)?

Por outro lado, se pensamos que o Hamas deve evoluir, como fazê-lo se nos recusamos ao diálogo? Não terá sido o diálogo europeu com a OLP que permitiu avançar?

Para saber mais

Remeto para as notáveis reportagens feitas para o Le Monde diplomatique há mais de quinze anos sobre esta organização por Wendy Kristianasen, encontra-se disponível no CDrom do Monde diplomatique ; assim como para as análises Jean-François Legrain, nomeadamente o texto distribuído na sua audição à comissão dos negócios estrangeiros do Senado a 14 de Janeiro, « Gaza : des guerres dans quelles perspectives ? ». Podeis igualmente ler a interessante entrevista, entretien avec Ali Jarbawi (PDF) no sítio da revista Confluences Méditerranée.

Finalemente, o livro de Khaled Hroub, Le Hamas (Demopolis) é a única obra séria em francês sobre a organização.

 

Alain Gresh

 [1] Bem inalienável.

27 Janeiro 2009 - Les blogs du Diplo

 
Fonte :
http://blog.mondediplo.net/2009-01-27-Qu-est-ce-que-le-Hamas

Tradução do francês: Ana da Palma

 

 

Links

ALTER

AMICI

ARGIA

BIBLIOTECAS

EDUCAÇÂO

ITEM SPECTO

VÁRIOS

Sapatos, Figas e Pedras

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D