Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ARESTAS

ARESTAS

Semana móvel

 A semana europeia da mobilidade passou com os eventos agendados no folheto disponibilizado pela Câmara das Caldas da Rainha. Contudo, deve ter sido um pouco difícil ao cidadão aperceber-se do evento, envolver-se e participar de forma adequada, devido à semana coincidir com a primeira semana de aulas que, como sabem, é um autêntico fervilhar de pais procurando fazer malabarismo de disponibilidade para poder organizar os horários escolares com as actividades extracurriculares dos seus filhos de forma a serem compatíveis com o ritmo familiar e uma verdadeira multidão de pais empenhados em receber os livros escolares e procurar os materiais a menores custos compatíveis com os gostos das crianças. Esta semana europeia pode ter tido todos os efeitos desejados em países como a França, onde todos os alunos do ensino pré-universitário começam a escola num dia pré-agendado no final do ano lectivo anterior e conhecido de todos que ocorre sempre no decorrer da primeira semana de Setembro, ficando deste modo mais atentos e dispostos a participar.

O que motivou o início das semanas da mobilidade foi o estado do ambiente em que o cidadão tem que viver, isto é, a rapidez e eficácia que tem que demonstrar em cada dia de trabalho aliadas às consequências que isso tem no seu espaço de vida. A óptica da semana da mobilidade envolve questões fulcrais, tais como investir em meios de transporte alternativos, promover práticas de mobilidade duráveis, seguras e acessíveis, assim como uma partilha mais equilibrada do espaço público. A cidade das Caldas da Rainha participou pela primeira vez neste evento e, na verdade, tudo o que tem sido feito (zonas pedonais, parque subterrâneo, Toma...,) no decorrer dos últimos anos, aponta para este caminho.

A semana da mobilidade deve de envolver projectos e actores (câmaras, empresas, entidades, etc.), mas não pode esquecer as acções concretas de sensibilização dirigidas ao cidadão, tais como, incentivar pelo exemplo a deslocação de bicicleta, este deveria ser dado pelos próprios autarcas durante a semana da mobilidade; organizar passeios de bicicleta, com bicicletas próprias, ou fornecidas para a ocasião, pela autarquia; organizar concursos nas escolas e freguesias em que o prémio pode ser uma bicicleta, ou patins (se tivéssemos espaço e passeios adequados...); promover percursos didácticos nocturnos de bicicleta, organizar workshops para a resolução de problemas simples e manutenção das bicicletas; organizar sessões em que cada cidadão pode calcular a sua participação nas emissões de CO2, etc.

Referi mais acima que é importante promover as acções que são dirigidas aos cidadãos de forma puramente desinteressada, mas formativa e informativa. No dia 21/09/07 no museu do ciclismo, assisti ao que vinha referido no programa como sendo uma conferência, intitulada: “Melhores ruas para as pessoas nas Caldas da Rainha”. Primeiro, é preciso dizer que uma conferência é “uma reunião de pessoas para tratar de assuntos que interessam aos que nela tomam parte”, depois é necessário dizer que a dita conferência no seu conjunto, tirando apenas duas apresentações entre as quatro, não era para o público geral. De facto, houve a apresentação do Toma e a apresentação de um jovem arquitecto sobre os eixos rodoviários possíveis, a única que, de algum modo, trazia e fazia propostas concretas que interessavam o cidadão. Contudo, esta apresentação foi colocada num momento em que toda a intervenção foi desvalorizada. O resto destinava-se a empresas e à Câmara, foram actos de marketing que não podiam nem cativar, nem interessar o simples cidadão. Normalmente, há sempre que ter o cuidado de identificar o público-alvo para não levar o cidadão comum a abdicar de participar, por outro lado, uma apresentação em PowerPoint destinada ao público, não pode, nem deve de nenhum modo ser uma sobreposição de textos idênticos (um escrito nos slides e o mesmo lido) as novas tecnologias devem servir precisamente para manter a atenção do público, não para perdê-lo.

A confusão parece ser grande entre aquilo que importa ao cidadão e aquilo que a autarquia deve fornecer para promover a participação do cidadão. Se considerarmos bem este problema, há várias hipóteses: ou os nossos dirigentes fazem tudo propositadamente para afastar o cidadão da participação, lamentando ao mesmo tempo a sua ausência - isto seria totalmente maquiavélico - ou sofrem todos de falta de discernimento. Entre uma e outra hipótese, ainda prefiro a primeira (mesmo se remete para algo que me incomoda profundamente, não sou desconfiada mas, isto dá que pensar...ou não dá?), dado que a segunda hipótese é bem mais grave, contando com o facto que fomos nós quem elegemos os nossos representantes.

Quanto à audiência, constituída por um pequeno número de simples cidadãos com questões pertinentes apenas obtiveram respostas abruptas, retóricas ou evasivas.

A participação das Caldas da Rainha neste evento europeu é sem dúvida um passo em frente em questões ambientais, mas mesmo assim, há o desconforto de uma manipulação imprevisível e irremediável que apenas conseguimos calar, mas este calar acumula-se de forma vertiginosa sem que possamos saber até onde pára o silêncio. Será assim que se defende e promove a participação do cidadão?

( Ana da Palma, Gazeta  das Caldas 28/09/07)


Links

ALTER

AMICI

ARGIA

BIBLIOTECAS

EDUCAÇÂO

ITEM SPECTO

VÁRIOS

Sapatos, Figas e Pedras

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D