Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

ARESTAS

ARESTAS

Para uma nova política educativa (1)

Aqui vai uns excertos traduzidos do texto que se encontra no sítio Ars Industrialis , mais precisamente AQUI

"Na Europa, “entre 1/3 e 2/3 das crianças têm um televisor no quarto, segundo os países e os meios sociais (cerca de 75% nos meios desfavorecidos em Inglaterra). Estes números aplicam-se às crianças entre os 0 e os 3 anos de idade». (Ver Children and young people in their changing media environment , publicado por Sonia Livingstone e Moira Bovill , Erlbaum ed , Mahwah , N.J e Londres, 2001).


Nos Estados Unidos, 40% dos bebés vêm regularmente televisão, DVD, ou gravações vídeo desde a idade dos três meses, a proporção passando para 90% a partir dos dois anos de idade: foi o que revelou um inquérito orientado por Frederic Zimmerman , no início do mês de Maio e publicado na revista Psychiatrics , vindo confirmar os resultados de um estudo feito em 2004 de que os bebés expostos aos programas de televisão entre um e três anos estão sujeitos a sofrer de um défice de atenção (attention deficit disorder ) quando atingem a idade de sete anos.


Há cerca de dois anos (no mês de Setembro de 2005), quando o INSERM pensou poder publicar em França os resultados de um inquérito sobre os distúrbios de concentração e as consequências frequentemente manifestadas sob a forma de distúrbios de conduta, revelou-se que, durante o estudo, praticamente nenhum cuidado foi dado aos efeitos devastadores da indústria televisiva e audiovisual sobre as jovens consciências. A estas causas, que são sociais e culturais, pelo contrário, o INSERM pensou encontrar bases genéticas. Isto levou o instituto a preconizar uma despistagem desde os três anos de idade das crianças supostamente predispostas a comportamentos anti-sociais.


O que o último estudo publicado sobre o assunto por Psychiatrics  confirma em 2007 é que os comportamentos anti-sociais ligados ao défice de concentração são em grande parte o que suscita a incúria de uma organização social que se tornou devastadora para a vida do espírito porque trata mal as consciências e, em particular, as mais novas logo as mais frágeis: aquelas de que devemos cuidar e a que devemos prestar o maior cuidado através daquilo que chamamos a educação. O que revela este estudo, é que a indústria televisiva destrói a educação.

Porque a concentração não é simplesmente uma faculdade psicológica: é uma competência social, há que adquiri-la e formá-la é da responsabilidade dos educadores, tanto dos pais como dos profissionais. Desde Jules Ferry, que generalizava uma tarefa que se atribuíam as Igrejas antigamente, a escola foi encarregada pelo Estado-Nação do papel de formar a concentração, em particular pela aquisição de disciplinas do espírito atento às matérias segundo as regras dos saberes elaborados e transmitidos de geração em geração.
No entanto, depois da 2ª Guerra Mundial, o sistema educativo e os media audiovisuais começaram a concorrer para captar a atenção das novas gerações. A partir do fim do século XX, esta concorrência tornou-se, com a pressão do marketing, um verdadeiro conflito, cujo resultado actual é um desastre psicológico, afectivo, cultural, económico e social. Não há a menor dúvida que as carências de concentração provocadas pela captação audiovisual da atenção conduzem à fragilização dos laços sociais de tal modo que apenas pode gerar uma insegurança generalizada.


O estudo do Dr. Zimmerman mostra que a captação da concentração pelas tecnologias audiovisuais conduz à destruição da mesma concentração. Precisamente onde a família e a escola encarregues de educar as crianças e a juventude formam a sua concentração, tanto no plano psicológico (enquanto faculdade de concentração), como no plano social (enquanto capacidade de cuidar de si próprio, dos outros e do mundo no seio do qual apenas é possível vivermos juntos com a condição de prestarmo-nos cuidados mútuos), as indústrias audiovisuais deformam-na por vezes ao ponto de a destruir – correndo o risco de se auto destruir dado que o zapping generalizado as condena, da mesma maneira que condena qualquer auto estima e dignidade humana. 

Aquilo que os pais e os educadores formam paciente e paulatinamente, desde a mais terna idade, alternadamente , de ano para ano na base daquilo que a civilização acumulou de mais precioso, as indústrias audiovisuais desmancham sistemática e quotidianamente com as técnicas mais brutais e vulgares – ao mesmo tempo que acusam as famílias e o sistema educativo deste ruir. Há que prestar homenagem aos educadores e professores que não renunciaram a lutar contra a incúria desta organização industrial.
É esta incúria que constitui a primeira causa do extremo enfraquecimento dos estabelecimentos de ensino como da fragilização familiar. Num contexto em que “o tempo de cérebro disponível” tornou-se simples mercadoria, os estabelecimentos de ensino e as estruturas educativas desmoronam-se umas após as outras.

Ora, com o ensino e a educação, é o próprio mundo que pode por sua vez vir a destruir-se.

2 comentários

Comentar post

Links

ALTER

AMICI

ARGIA

BIBLIOTECAS

EDUCAÇÂO

ITEM SPECTO

VÁRIOS

Sapatos, Figas e Pedras

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D