Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ARESTAS

ARESTAS

Fermentação

É assim! Há um tempo que chamaria de fermentação.
Todo pensamento, todo trabalho de escrita obedece a esse tempo necessário.
O tempo necessário para reconsiderar pensamentos, tempo necessário para outras leituras, outras descobertas, outras amizades, outros amores, ou paixões.
Este meu tempo de fermentação!
Fiquei surpreendida comigo. Pois, apercebi-me que precisava de ler os poetas  para alimentar o meu pensar, dar de beber ao trabalho de escrita...nada de novo! A teoria não chega. Já Platão dizia que a poesia dava de beber e alimentava as paixões...paixões ... mas não tão  só as paixões carnais...até porque é frequentemente o contrário!
A poesia alimenta a alma.
Mesmo se para Platão a questão de alimentar as almas com poesia tem uma conotação depreciativa, dado que o poeta deve ser expulso da Republica.
Ainda assim, sinto algum receio em empregar as palavras poesia, paixão e alma... sobretudo porque as palavras paixão e alma remetem definitivamente (ou quase...ainda) para coisas muito específicas em função dos nossos dados sociais e culturais.
A Poesia não é, nunca foi para mim algo de exclusivamente ligado ao amor e ao bucolismo. A poesia intimista agrada-me vez em quando , mas nunca poderia lê la de forma contínua, mesmo se aprecio alguns dos grandes poemas sempre referidos e citados. A poesia intimista é para mim uma leitura pontual , com uma referência a um momento e um estado de alma. Prefiro a poesia que fala da poesia, aquela que se compromete com aquelas outras coisas que nos tocam.
Agora relembro que a minha primeira grande paixão literária foi um poema de Rimbaud intitulado Les étrennes des orphelins " ...não vou reler o poema mesmo se a tentação é grande, neste momento, o que me tocou naquele instante foram os pés nus das crianças órfãs no soalho. Uma coisa tão simples, tão insignificante como o frio nos pés das crianças.
Penso frequentemente nisto e ainda não percebi porque razão foi isto que ficou do poema.
Mais tarde, decorei (ainda sei de cor!) o Barco ébrio do mesmo autor e quando penso em versos as palavras que chegam aos meus lábios são estas:
J'ai rêvé la nuit verte aux neiges éblouies,
Baisers montant aux yeux des mers avec lenteurs ,
La circulation des sèves inouies,
Et l'éveil jaune et bleu des phosphores chanteurs
(Sonhei a noite verde de neves deslumbradas, beijos subindo aos olhos do mar com lentidões/ a circulação das seivas inacreditáveis/ E o despertar amarelo e azul dos fósforos cantores. - rápida tradução literal, pois uma tradução respeitando as rimas terá necessariamente que ser diferente! Penso que ambas importam, mas como o significado destes versos tocam todos os meus sentidos, só me dediquei, neste momento, a isso nesta tradução)
O plural de lenteurs / lentidões sempre suscitou interrogações. Uma iguaria linguística, a própria beleza desta quadra reside para mim neste plural, inaudível na linguagem falada francesa.
(para continuar)

Links

ALTER

AMICI

ARGIA

BIBLIOTECAS

EDUCAÇÂO

ITEM SPECTO

VÁRIOS

Sapatos, Figas e Pedras

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D