Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ARESTAS

ARESTAS

Divulgação: ERGUER A VOZ com o tema RESISTÊNCIAS

 

Breve descrição:


"Erguer a Voz" é uma parceria entre as associações Terra Viva! e Sapato 43, no âmbito do projecto Amigos Maiores que o Pensamento da AJA-Norte (Associação José Afonso).

 

O projecto Erguer a voz irá desenvolver-se até Setembro de 2012 e será finalizado por uma exposição agendada para Dezembro 2012. A exposição consistirá numa montagem de todas as vozes e outros registos de cada uma das sessões temáticas que serão realizadas em vários locais da cidade do Porto.

 

Finalidade:


"Erguer a Voz" pretende dar voz às pessoas tendo em conta as actuais e prementes preocupações do quotidiano, aliando momentos de convívio solidário através da poesia e da música de intervenção.
A voz dos participantes será triplamente valorizada:

- Primeiro, no momento de partilha durante as sessões temáticas.

- Segundo, pela participação nas gravações.

- Terceiro, numa exposição sonora envolvendo outros registos, outros participantes e objectos. 

O objectivo de Erguer a voz é relembrar a importância das nossas vozes de onde emanam as nossas individualidades, os nossos desejos e sensibilidades e reafirmar o seu poder.  

 

Como participar na 1º sessão: «Resistências»

 

1- Enviar um e-mail para sapato43.ac@gmail.com para se inscrever* (até dia 13 às 12horas)

2- Escolher/escrever/trazer o(s) poema(s), o(s) texto(s) ou a(s) canção(ões) que irá partilhar.
Para dar uma ajuda e se inspirar,   pode descarregar AQUI um documento em formato pdf com exemplos de poemas/canções dentro desta temática

3- Opção especial para dia 13 de Abril: levar um objecto que esteja ligado ao tema "resistências", de modo a partilhar a história desse objecto ou para explicar de que forma ele se liga ao tema.

4- Antes de iniciar a sessão, preencher e assinar um formulário onde autoriza/não autoriza os diferentes tipos de registo (áudio e/ou fotográfico)

 

*IMPORTANTE!: A necessidade de confirmar a participação através da inscrição prende-se com a capacidade de acolhimento do espaço e ... dos litros de sangria a «compor»!

Dia 22 de Março - Greve Geral

Uma gaiola foi à procura de um pássaro.

(Kafka)

Dia 22 de Março, como todos os dias, vamos afirmar que somos Pássaros!

 

Somos Pássaros que negam qualquer gaiola, muito mais a imposta por esta democracia podre e bolorenta, onde floresce a ditadura dos aparelhos partidários, onde se reproduzem dinastias de políticos de profissão, onde as finanças ditam as leis, onde as decisões são tomadas à revelia de quem vão afectar.

 

Somos Pássaros e fazemos da política vida, porque a vida é nossa e a política mais não é do que a sua reapropriação individual e social. Ditam-nos a crise com pactos sociais. Chamam-nos para validar os pactos. Somos Pássaros, não pactuamos com gaiolas! Somos a rua e a rua somos nós.

 

Vamos para a rua, porque somos Pássaros e somos livres! Vamos para a rua, porque acreditamos que a força e a beleza de uma mudança se encontra nos nossos voos soberbamente diferentes, onde residem todas as promessas dos seres humanos. Vamos para a rua, porque acreditamos que a força e a beleza de uma mudança se encontra nas nossas mãos unidas, nas feições dos seus contornos suaves ou rugosos que se ajustam e complementam. Vamos para a rua, porque é na rua que está a voz e o cérebro da democracia directa!

 

Companheiras e Companheiros, podem querer roubar-nos os nossos legítimos direitos, podem querer tirar-nos o tempo e a vida, mas somos Pássaros, temos asas e nunca nos poderão roubar a Ideia, o sonho, a capacidade de percebermos que as decisões sobre como viver e lutar estão ligadas à sua execução.

 

Ocupemos as gaiolas para as destruir!

Organizemos as derrotadas gaiolas em espaços livres em Autogestão!

Devolvamos a banca onde ela pertence: o banco dos réus!

Tomemos as decisões em conjunto

Façamos da rua a nossa política!

 

Conferência libertária (em preparação)

Contactos provisórios:

- sovaitporto@gmail.com

- hipatia@pegada.net

- casaviva167@gmail.com

Divulgação: Em Cada Rosto Igualdade

Em Cada Rosto Igualdade

Ocupar Abril, tomar de assalto o mês de Maio” é o desafio lançado pelo Núcleo do Norte da Associação José Afonso.

Dentro deste espírito, as Associações “A Cadeira de Van Gogh”, “Os Cadernos do Caos” e a AJA Norte são parceiros no projecto “Em Cada Rosto Igualdade”, através do qual se pretende reafirmar os valores Humanos de Fraternidade, Igualdade e Liberdade que José Afonso sempre defendeu tanto através da sua música, como pela sua postura de Homem perante o Mundo.

O projecto, alicerçado num manifesto, é dirigido a todos quantos se reconheçam na sua universalidade. Será um espaço de convivência, antecipando desde já o mundo melhor que todos desejamos.

Concretizar-se-á através da realização de uma exposição de fotografia apresentada em dois formatos: um on-line numa página web e outro multimedia a projectar em espaços públicos.

Abrimos este projecto à subscrição de todos os que se assumam iguais entre gente igual, e se revejam no seu manifesto.

A subscrição não se realiza através de simples assinatura, mas sim através do envio de uma foto do seu rosto (de resolução alta e formato vertical), acompanhada de uma frase, um pequeno texto ou poema (que poderá ser ou não da autoria do subscritor) que ilustre a ideia subjacente ao projecto.

Assim, pedimos a todos os que se queiram associar a este projecto para enviar os elementos referidos e também o seu nome e local onde habita para o email emcadarostoigualdade@gmail.com até 31 de Maio de 2011.

A qualquer momento poderá retirar a sua foto, se assim o desejar, bastando para isso comunicar-nos essa vontade através do mesmo email.

A exposição manter-se-á acessível ao público entre Abril e Maio de 2011, e a sua divulgação será feita através da web e iniciativas públicas das entidades organizadoras e de outras entidades que solicitem a sua cedência.

--------------------------

 

 

Manifesto

Vivemos num mundo doente!

Doente, um mundo que circula indiferente perante Seres Humanos que vivem no chão da rua e comem de uma sopa nada mais que caridosa.
Doente, um mundo que assume como lei natural meia dúzia possuírem algarismos virtuais que os torna bem alimentados, bem vestidos, bem vividos, perante milhões de outros que, sem algarismos virtuais, sobrevivem de uma fome bem real.
Doente, um mundo em que a propriedade do Ter, roubou a dignidade de Ser.
Doente, um mundo que ajuíza o que cada um é pelo que cada qual possui, assim pretendendo fazer crer que entre seres iguais um possa ser mais e outro menos.

Não!
Não chegamos ao fim da História!

Porque o sabemos reclamamos um outro mundo!

Nós ousamos contrariar as regras com que nos tentam ajoelhar todos os dias.
Nós queremos construir um Mundo mais são, justo e digno para todos os seres.
Nós assumimos que o que nos estrutura enquanto Seres Humanos é a forma como vemos o outro.
E em cada rosto desconhecido, triste ou feliz, rude ou amável, amargo ou gentil vemos um Ser Humano Igual.

O Mundo que queremos é outro!
O que queremos é um Mundo de gente igual por dentro e gente igual por fora!
O Mundo que queremos é a Terra da Fraternidade - sentida, vivida e contada por José Afonso.

Em cada esquina um amigo
Em cada rosto igualdade

Divulgação: Protesto à Geração Rasca dia 12 de março

 

 

Protesto da Geração À Rasca

12 de Março às 15 horas

Avenida da Liberdade – Lisboa e Praça da Batalha - Porto

 

«Este é um protesto apartidário, laico e pacífico, que pretende reforçar a democracia participativa no país, e em consonância com o espírito do Artigo 23º da Carta Universal dos Direitos Humanos:

1. Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à protecção contra o desemprego.

2. Todos têm direito, sem discriminação alguma, a salário igual por trabalho igual.

3. Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, que lhe permita e à sua família uma existência conforme a dignidade humana, e completada, se possível, por todos os outros meios de protecção social.

(…)»

Para mais informações ver: http://www.facebook.com/event.php?eid=180447445325625

http://geracaoenrascada.wordpress.com/

«Inteligência pura em comunicação com Outras Inteligências?» – Breve pista para outra abordagem à causa palestina.

«Essayer, un moment, de vous intéresser à tout ce qui se dit et à tout ce qui se fait, agissez, en imagination, avec ceux qui sentent, donnez enfin votre sympathie son plus large épanouissement : comme sous le coup de baguette magique vous verrez les objets les plus légers prendre du poids, et une coloration sévère passer sur toutes choses. Détachez-vous maintenant, assister à la vie en spectateur indifférent : bien des drames tourneront à la comédie. (…) Le comique exige donc enfin, pour produire tout son effet, quelque chose comme une anesthésie momentanée du cœur. Il s’adresse à l’intelligence pure.» Bergson (1985 : 4) Le rire. Paris : PUF.



No passado sábado 5 de Fevereiro iniciou-se o segundo ciclo de cinema-debate promovido pelo GAP no Gato Vadio. Este ciclo começou com um filme que pertence ao género da ficção, mais precisamente, segundo a crítica, trata-se de uma «tragicomédia burlesca». O filme, Intervenção Divina é constituído por uma série de pequenos quadros que se completam pouco a pouco. Trata-se de uma «história de amor e de dor» composta por fragmentos e repetições do quotidiano de que se destaca a absurdidade kafkiana da situação vivida na Palestina, mais precisamente, neste caso, na Cisjordânia, entre Jerusalém e Ramallah.

Intervenção Divina data de 2002 e ganhou o Prémio do Júri no Festival de Cannes nesse mesmo ano. Na nossa opinião a questão do género merece uma atenção particular tendo em conta três aspectos: 1- a percepção dos espectadores que procuraram no filme o retrato fiel e documental da realidade palestina; 2- considerando as palavras pertinentes e reveladoras de Jean-Luc Godard, no seu filme intitulado «Notre Musique»(2003), acerca do facto da «Palestina juntar-se ao documentário e Israel à ficção» e, por último; 3- porque a Academy of Motion Picture Arts and Sciences colocou certos entraves à candidatura deste filme de Élia Suleimane ao Óscar:
"The academy does not accept films from countries that are not recognized by the United Nations, Pavlik said, adding it also had to be nominated by a committee of recognized filmmakers from Palestine. Pavlik said in both cases "Divine Intervention" might have failed the test. Palestine does not have membership in the United Nations but is recognized as an "entity" that has "observer status" in the international body." ("Oscar escapes Mideast dispute," Toronto Star, 9 December 2002)
Entre realidade e ficção, quando as inteligências se recusam à comunicação, a pertença terrestre e a identidade humana da Palestina e do seu Povo encontram-se seriamente em risco.

Links

ALTER

AMICI

ARGIA

BIBLIOTECAS

EDUCAÇÂO

ITEM SPECTO

VÁRIOS

Sapatos, Figas e Pedras

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D