Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ARESTAS

ARESTAS

Divulgação: Palavras ao Lixo

Aí está mais um processo eleitoral e toca a fazer festinhas na cabeça do povo para obter o voto. Ideias, propostas, reformas,  promessas, certezas, beijos nas criancinhas e pagamento de rendas.

O circo está de volta e traz palhaços, malabaristas e trapezistas. Uns velhos, outros novos, todos sorriem e oferecem balões e guloseimas. Esta terça-feira vamos ler alguns programas eleitorais e outras coisas mais sérias.

Aparece e traz as tuas propostas de leitura.

Tradução: Cinco reflexões sobre o Alter Summit de Felipe Van Keirsbilck*


1. Um enigma


Porque é que as elites políticas aplicam medidas de austeridade que são:

- socialmente destruidoras. Trata-se de um dos maiores recuos sociais desde a guerra e até a assembleia parlamentar do Conselho da Europa acaba de designar esta austeridade como sendo uma ameaça contra os Direitos sociais e contra a democracia.

- economicamente absurdos. A austeridade aumenta os défices e a dívida e destrói o aparelho produtivo, sem oferecer uma hipótese de saída da crise.
- democraticamente suicidas. por um lado pelas intervenções autoritárias da Troika que colocam vários países em situação pós-democrática austeritária, por outro lado, porque as consequências da austeridade favorecem os partidos fascistas e xenófobos.
Será por incompetência?
Não : podemos acusar os nossos dirigentes de muitos erros, mas não de serem estúpidos. uma parte dos dirigentes políticos procuram provavelmente alternativas, mas encontram-se confrontados com a ausência de respostas efectivas no quadro da economia mundializada e da união europeia tal como funciona hoje em dia. Contudo, para outros dirigentes, mas ou menos explicitamente neoliberais, a explicação é provavelmente que se trata para eles de se aproveitarem da crise para concretizar a revolução neoliberal («never waste a good crisis»). Estamos portanto numa situação inédita, que requer respostas inéditas, à escala europeia e além das clivagens secundárias - a radicalização da contradição fundamental entre capital e trabalho, entre os interesses de uma pequena minoria ultra privilegiada e a grande massa da população, colocam-nos diante de uma tarefa histórica. 

2. Outro enigma

Porque é que  a derrota económica, prática e teórica do neoliberalismo não levou à chegada no poder de governos determinados em ousar a ruptura contra a Troika e o neoliberalismo?
Será por causa da resignação dos povos? Não, nunca houve tantas mobilizações de grande envergadura desde há 3 anos! A explicação principal é, na nossa opinião, a própria construção da União Europeia que torna as mobilizações populares tradicionais ineficazes: o poder encontra-se em Bruxelas ou em Frankfurt, mas a capacidade de mobilização e de luta das pessoas é no seu espaço de vida, nas suas empresas, na sua cidade, região, país. Isto permite-nos precisar a natureza da missão histórica, referida anteriormente: na nossa opinião, a urgência consiste em dar vida a um verdadeiro Movimento Social Europeu. O que sabemos dos Movimentos Sociais? Em primeiro lugar, eles não se decretam (caso contrário poderíamos decidir que o movimento social europeu começaria amanhã nesta sala ao meio dia e meia...) mas é necessário muito trabalho para torná-los possíveis. Em segundo lugar, requerem três componentes:

- A capacidade de dizer NÓS (quem somos)

- A capacidade de dizer ELES (quem são os nossos adversários)

- A capacidade de dizer claramente O QUE QUEREMOS.


Poder dizer NÓS, é tomarmos a ambição da Hegemonia. Gramsci distinguia classe dirigente e classe dominante pelo seguinte critério: quando a classe no poder consegue apresentar os seus interesses como aqueles da maioria, ela «dirige», isto é, exerce o poder pela hegemonia, pela adesão das massas a um discurso credível - o exercício da força sendo apenas um recuso acessório. Quando esta classe já decididamente não pode convencer as massas, resta-lhe apenas a repressão e a violência, ela já não dirige nada, apenas é uma classe dominante. A repressão brutal na Grécia, em Espanha, no Blockupy Frankfurt, a multiplicação das leis liberticidas ou antisindicais revelam amplamente que a oligarquia europeia perdeu e abandonou a batalha da hegemonia. Mas não é por isso que a vamos ganhar! A esquerda tem uma longa tradição de lutas fratricidas levadas a cabo para determinar a hegemonia entre nós: devemos agora ter a ambição de conquistar juntos a hegemonia frente a eles.


Para poder dizer ELES, não é suficiente acusar os mercados «sem nome e sem rosto». Os nossos adversários são bancos, multinacionais, partidos políticos, com um nome, uma morada e dirigentes. Ainda devemos colocar uma questão: Será que não deveríamos chegar ao ponto de denunciar a responsabilidade pessoal de certos dirigentes? Se nesta sala estivessem sentados os Senhores Barroso e Trichet, a Senhora Merkel e o Senhor Sarkozy, os Senhores Draghi e Papademos, será que não deveríamos lhes pedir para prestarem contas, pelas nossas sociedades devastadas, pelas famílias roídas pelas precariedade, pela pobreza e até pela fome... Pelos numerosos suicídios que as suas decisões provocaram? Seguramente que responderiam que não são pessoalmente responsáveis, que as suas decisões foram ratificadas pelos parlamentos de forma totalmente legal, que portanto não podem ser culpabilizados e que são intocáveis... E, quiçá responderíamos: ok, perfeito! É exactamente o que, há ano e meio, diziam o Senhor Ben Ali e o Senhor Moubarak!


Finalmente devemos dizer O QUE QUEREMOS - numa linguagem clara partindo das necessidades e realidades vividas pelos 99%, estas necessidades são a solução, não são o problema! Uma das vitórias do neoliberalismo foi de ter conseguido fazer nos acreditar que a economia e a política pediam conceitos e uma linguagem sábios, que a língua do povo não era suficiente. Por exemplo, reivindicar «Eurobounds» pode ser uma resposta técnica a dado momento, mas não pode ser uma palavra de ordem política, porque não a sei explicar ao merceeiro da esquina e que não levará para a rua os jovens desempregados da minha região.



3. Uma pergunta clássica: o que fazer?

Há anos que a questão já não é de saber se existem alternativas. «Tina» 1 morreu antes de Maggy: sem remorsos! Temos textos em abundância suficiente que descrevem, de forma globalmente convergente, o que deveriam de ser as alternativas credíveis para uma Europa democrática, ecológica e social. Os manifestos e as análises sucedem-se (ver alguns exemplos aqui: www.altersummit.eu) , e raramente passa uma semana sem que haja um novo apelo à unidade dos movimentos sociais na Europa.
1 Tina : « There is no alternative »
Neste contexto, à pergunta «O que fazer?», uma resposta possível seria: « Ir buscar uma estante ao Ikea para arrumar todos os apelos à união por uma outra Europa» … Outra resposta seria considerar que o que é necessário é realizar a convergência das forças e a sua unidade concreta na acção. O nosso objectivo é de mudar a Europa, não de mudar uma declaração. Esta unidade passará por um programa de acções com pelo menos a ambição de ter peso sobre a realidade (o que precisa de bastante tempo para preparar... mas também de ser suficientemente rápido para poder intervir no momentum de crise crescente).


Três apontamentos sobre o que pode ser um programa de acção:


      1. Uma acção digna do nome deve:
        - Meter medo ao adversário: portanto não é apenas uma petição na internet, nem apenas uma manifestação para a qual os participantes devem de apanhar um avião!
       - Fazer com que os participantes se sintam orgulhosos e felizes de estarem comprometidos enquanto protagonistas e não como uma massa de manobra.
        - Consolidar e alargar o movimento para permitir-lhe ir mais além. 


    2. No contexto da UE verdadeiramente existente, o programa de acção deve ser concebido previamente e realizado como «bi-level»: acções puramente nacionais não surtirão efeito nenhum e acções europeias sem um forte enraizamento nas realidades locais e nacionais não terão força.


     3. A acção deve realizar a unidade. Mas não devemos ser ingénuos sobre o que significa unidade. Acreditar que a natureza da esquerda, do movimento operário, é de unificar e que a natureza da direita e do capital é de dividir, é acreditar em contos de fadas.  Unificar, é dividir ! Os capitalistas do meu país são a favor da unificação: querem que sejamos solidários com eles contra os alemães, os franceses, os romenos, etc. Nós, a esquerda e o movimento operário, os internacionalistas, queremos dividir porque sabemos que é na escolha estratégica e na enunciação clara da linha de divisão («Eles») que podemos realizar a unidade («Nós»).


4. Uma boa notícia
Para realizar o programa da unidade na acção, existe um procedimento concreto, amplamente partilhado, com uma «guia de rota» e com o compromisso de mais de cinquenta organizações nacionais  ou europeias, oriundas de mais de quinze países.
           a. Um apelo – acolhido por muitos outros - que permite uma ampla mas clara convergência. Este apelo encontra-se em 9 línguas no  www.altersummit.eu Juntamente com numerosos outros apelos, constatamos uma ampla convergência. 
         b. Numerosas assinaturas. Com nomes como Ken Loach, Susan Georges ou Stéphane Hessel. E várias personalidades políticas europeias importantes, oriundas do grupo dos Verdes, dos sociais-democratas ou de  GUE/NGL.
            c. A relação com FSE é clarificada : não substituir, não repetir: ir mais além. Somos um filho do FSE – e se a criança não é reconhecida, não faz mal.
       d. Clarificámos igualmente a nossa relação com os partidos: O movimento Social Europeu deve ser dirigido pelos movimentos sociais, não pelos partidos, mas não rejeitamos as forças políticas. Rejeitamos tanto o antipolítico individualista como a velha hierarquia onde os movimentos sociais ficariam subordinados aos políticos.  As personalidades que apoiam o nosso apelo são bem-vindas, devemos lutar no nosso terreno, mas não queremos a configuração clássica em que o movimento social redige um caderno de reivindicações e o transmite ao mundo político. « Por favor, no nos representan ! » Não pedimos aos homens e mulheres políticos que nos representem, mas que lutem connosco, se partilham da análise fundamental resumida no nosso apelo. 
           e. Roteiro
Temos dois eventos importantes pela frente: a concentração  « FIRENZE 10+10 » de 8 a 11 de Novembro, e o Alter Summit, agendado para início de 2013, provavelmente em Atenas. (Um roteiro mais detalhado encontra-se no site www.altersummit.eu ) Mas devemos ser muito conscientes de que estas duas datas só por si de nada servirão. Indicam um ritmo comum para um processo que deve começar antes e continuar depois: 
      - Antes de Novembro, deve de haver um grande trabalho da coordenação europeia e há que organizar a coordenação para o Alter Summit no maior número de países ou de regiões, par que as delegações que forem a Firenze sejam alimentadas por debates nacionais estratégicos.
      - Entre Novembro e a primavera 2013, teremos uma centena de dias para construir a mobilização de massa a nível nacional e regional. A ambição é de ter um dia de acção em simultâneo, no maior número de cidades da Europa, com palavras de ordem comuns com forte enfoque político.

      - Depois do Alter Summit, a luta terá de continuar!

5. Uma má notícia


A má notícia é que há muito trabalho par fazer! Precisamos de compromissos nas coordenações nacionais ou regionais unitárias.
A transformação da sociedade não virá, sabemo-lo há muito, dos sonhadores que constroem teorias sem fim, nem dos oportunistas que esperam que o povo, cansaço da opressão, se levante espontaneamente: esta transformação requer um paciente trabalho de organização.

A proposta do Alter Summit, que colocámos em cima da mesa, não é dogmática. Conta com muitos apoios, mas também pode, nas semanas seguintes, ser melhorada. Se houver propostas melhores que permitem de reforçar o processo, o seu poder e as suas hipóteses de êxito, são bem-vindas. Mas rapidamente, porque este processo não será parado.
A primeira urgência é o estabelecimento de coordenações unitárias, nacionais ou regionais para suportar o processo.
Finalmente, não devemos ter ilusões: este processo inicia um combate a longo prazo. Mesmo se tiver êxito, o que será difícil, este processo de mobilização não será suficiente. No entanto, queremos trabalhar nisso com todos os e as que queiram, porque, como o repetimos frequentemente nos sindicatos:  « Aquele que luta pode perder, mas aquele que não luta já perdeu».

Info : info@altersummit.eu www.altersummit.eu
* Sindicalista Belga, secretário geral do sindicato dos trabalhadores CNE, fundador e animador do Joint Social Conference e do processo do Alter Summit.


NOTA: tradução a título informativo que não implica a total adesão da tradutora às ideias aqui expostas.

Reflexões sobre as FEIAS (2)

Retomando o primeiro aspecto que concerne a forma de organização pela expressão «do   voto   pela   abstenção». Além da necessária reflexão, dando uma volta à expressão da palavra «abstenção» online com o google obtemos algo como 1.900.000 resultados em 0,21 segundos. Nada de muito esclarecedor, tirando a definição do vocábulo. Por outro lado, algum trabalho nesse sentido tem sido feito na PLATAFORMA ABSTENCIONISTA . Uma busca mais específica, ainda que geral, sobre a abstenção em Portugal, leva-nos a uma tabela sobre a evolução da abstenção(AQUI).


Por outro lado, uma breve visita ao site da CNE (Comissão Nacional de eleições) permitiu construir os quadros (no documento abaixo) retratando a expressão da abstenção, votos brancos e votos nulos desde 1975 para as eleições legislativas (A.R.); as eleições presidenciais; as eleições autárquicas a nível nacional e a nível do distrito do Porto (faltaria fazer o mesmo levantamento para todos os distritos para formar uma ideia mais esclarecedora sobre a evolução dos votos).



 

Em todos os quadros, ao longo dos anos, e em todo o tipo de eleições, é fácil verificarmos um aumento da abstenção. Contudo, seria interessante identificar algumas das reais causas da abstenção em Portugal, em função do tipo de eleição, do contexto político, do contexto social, isto porque podemos verificar a partir de 1991 uma maior abstenção nas eleições presidenciais em que o candidato eleito anteriormente é reeleito. Portanto, será de esperar que outros factores possam influenciar a abstenção. [deixo estas digressões para um texto mais longo para colocar no slideshare brevemente]


Em Portugal, de forma geral, podem ser enumeradas uma série de causas: desde as mais consistentes configuradas numa profunda descrença neste sistema democrático até à descrença na política partidária, nos seus representantes, mas também o cansaço, o desinteresse, as dúvidas e as indecisões até às razões mais pejorativas, estigmatizadas no esgar cristalizado do feroz defensor da democracia representativa, que não falham em pulular, do género: a malta foi passear, o povo foi para a praia, ou ainda, a malta está a ver televisão.


Tendo em conta que as próximas eleições, serão eleições autárquicas agendadas para 2013, coloco-me uma série de questões. Entre elas, estas duas:


De que forma organizar «o voto pela abstenção» em eleições autárquicas?


Como dar visibilidade ao mesmo?


Reflexões sobre as FEIAS (1)

Muito sucintamente, uma parte do texto de Paulo Esperança, proposto para reflexão (ver original em pdf abaixo), faz um percurso histórico partindo de 1975, formulando as bases para a reflexão e as urgências que podemos identificar na sociedade portuguesa inserida no Mundo. Esta reflexão define as «vacas sagradas» como ponto de partida para questionar a democracia representativa ao serviço de um capitalismo neoliberal concretizado pela alternância bipartidária, e nomeia as «FEIAS» como sendo as «forças que enjeitam a institucionalização agindo sozinhas» cujo papel seria, por um lado, «ajudar a desmantelar os malefícios do capitalismo sem recurso aos métodos conhecidos provando que uma outra intervenção é possível.», e, por outro lado, « o desafio não da unificação mas da federação para que cada estrutura ou ser individualmente considerado possa manter a sua filosofia e a sua prática autónomas em respeito à diversidade.»

 

 

 

 

 


Foram estes dois aspectos, por serem ideias que envolvem necessariamente acções concretas, i.e., algo que podemos realizar no terreno, que suscitaram o meu interesse e curiosidade. Trata-se de duas possibilidades que julgo importante pensarmos mais profundamente e construirmos de forma mais consistente. A primeira configura uma forma de organização da luta pela expressão «do   voto   pela   abstenção». E a segunda aparece como uma coisa [«federação»?] a construir num futuro próximo, quiçá a Conferência Libertária possa servir como ponto de partida para algo mais, algo que possa dar voz aos trabalhos levados a cabo no seio de cada grupo.  

Mineiros

Toda a solidariedade é sempre pouca! A caminho da Batalha, fui recolhendo assinaturas para a carta de solidariedade com os mineiros espanhóis. A dada altura, uma das pessoas que interpelei na rua pergunto-me: «O que é que os mineiros espanhóis têm a ver com Portugal?» Uma pergunta simples e legítima que dá que pensar!

 

Eis um vídeo da concentração e marcha no Porto:

 

 

Eis um registo fotográfico no site da AIT-SP/SOV do Porto

 

Eis mais um canto solidário do Coro da Achada:

 

 

Aja Solidariedade!

Links

ALTER

AMICI

ARGIA

BIBLIOTECAS

EDUCAÇÂO

ITEM SPECTO

VÁRIOS

Sapatos, Figas e Pedras

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D