Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ARESTAS

ARESTAS

Puctum para nº3

AShibli_3.jpg

© Ahlam Shibli, Death nº3 – Bairro de Rafediya, Rua 15, Nablus, 22 de Fevereiro de 2012.

«Uma manifestação frente aos escritórios da Cruz Vermelha em Nablus, organizada pela Frente Democrática para a Libertação da Palestina (FDLP) de apoio à greve de fome dos palestinianos sob detenção administrativa por Isarel em protesto contra o seu encarceramento. A 17 de Abril foi anunciada uma greve geral de fome que terminou a 14 de Maio, quando o governo de Isarel aceitou suspender o isolamento prisional, autorizar a visita das famílias oriundas da Faixa de Gaza e suspender a detenção administrativa.» © Phantom Home (2013:213)

 

Puctum para nº3

 

Uma voz ecoa na fotografia e outra

entre braços erguidos.

Que fazer?

 

Puctum-Haiku para nº2

© Ahlam Shibli, Death nº2 – Bairro de al-Dahiya e Campo de Refugiados de Balata, Nablus, 28 de Fevereiro de 2012.

«Com aproximadamente 25 000 habitantes e uma área de 0,25 km2, Balata é uma das regiões do mundo com maior densidade populacional e o maior campo de refugiados da Cisjordânia. É conhecido como um reduto da Fatah, cofundada em 1959 por Yasser Arafat (também conhecido como Abu Amar)» © Phantom Home (2013:212)

 

Puctum-Haiku para nº2

 

Estendi roupa

entre parabólicas.

Que dia solarengo!

Puctum-tanka para nº1

Ahlam_Shibli_Death_1.jpg© Ahlam Shibli, Death nº1 – Campo de refugiados de Ala’in na parte ocidental de Nablus, 26 de Outubro de 2011.

«Durante a Segunda Intifada, Nablus foi um centro da resistência palestiniana às forças de ocupação israelita. Na cidade situam-se quatro campos de refugiados sob administração da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Médio Oriente (UNWRA): Balata, Askar Antigo, Askar novo e Ala’in. A UNWRA designou este último Campo nº1. A população local chama-lhe contudo Ala’in, numa referência a uma fonte de água que abastecia os refugiados quando o campo foi criado. Ala’in é conhecido pelo apoio à marxista-leninista Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP), fundada por George Habash em 1967. Durante a Segunda Intifada, as forças de ocupação israelita mataram mais de 500 residentes em Nablus e nos seus campos de refugiados e feriram mais de 3000. Cerca de sessenta casas foram destruídas» © Phantom Home (2013:212)

 

Puctum-tanka para nº1

 

Na cova do vale

Não vejo uma oliveira

Outubro chegou?

 

Também não vejo casas.

Só legos empilhados!

Leitura de «O comunismo nunca existiu»

IMGO Comunismo Nunca Existiu_0024.jpg

 O comunismo nunca existiu - A guerra civil europeia 1917-1945 (2014). Edições Antipáticas. Seis autores. Seis textos harmoniosamente organizados e uma introdução. Um título que provoca curiosidade e que apresenta a seguinte definição: 

«O comunismo é para nós o movimento real que supera esse estado de coisas, que desnaturaliza as relações sociais vigentes, que interrompe o curso habitual da história para desenhar com um gesto livre a possibilidade de uma vida outra, de um mundo para lá do Estado e do trabalho assalariado, assente na partilha e na produção comum, pelo qual nos possamos libertar do reino da necessidade. É a essa luz que lemos a teoria e a história do movimento operário, que nos procuramos apropriar de ferramentas e conceitos de crítica tanto da economia política como das formas de poder, que nos empenhamos nos combates do nosso tempo e que insistimos em disputar uma palavra que continua a significar para nós exactamente o contrário daquilo que veio a representar durante grande parte do século XX.» (2014: 7-8)

O primeiro texto de João Valente Aguiar, intitulado: «A organização da desorganização. Acção autónoma, ambiguidades e a reconstrução das hierarquias na revolução russa de 1917-18» que nos esclarece sobre os Comités de fábrica, o controlo operário em auto-organização e a consolidação da hetero-organização  leninista e do capitalismo de estado.

O segundo texto, intitulado « Kronstaadt 1921», é um excerto das memórias do revolucionário Victor Serge, entre os primeiros a identificar e definir o totalitarismo, inicialmente uma palavra utilizada pelos antifascistas italianos e retomada pelos fascistas nas palavras do Duce, Benito Mussolini, a palavra deu lugar a um consistente trabalho de Hannah Arendt sobre a matéria, intitulado «As origens do totalitarismo» (1951).

O terceiro texto, intitulado «Bolchevismo Europeu» de António Louçã, mergulha-nos na Revolução Alemã, as relações com a Internacional Comunista, as críticas dos dirigentes spartakistas ( Rosa Luxemburgo, Leo JogichesPaul Levi e Karl Liebknecht), a fundação do Partido Comunista da Alemanha (KPD).

O quarto texto, intitulado «Fazer a revolução para ganhar a guerra - dilemas comunistas em Espanha (1936-39)» de Miguel Suárez,visita o que aconteceu em Barcelona em 1937.

O quinto texto de Ricardo Noronha intitula-se «Todas as dívidas que a história deixou por pagar: a escrita invisível de Arthur Koestler»; está organizado em seis partes e dá conta da evolução do capitalismo de estado através da obra de ficção de Arthur Koestler.

O sexto e último texto, intitulado « Os náufragos» da autoria de João Bernardo, começa em Julho 1940, com o náufrago ao largo da costa irlandesa de um navio que transportava 1200 pessoas e leva-nos aos meandros das decisões geopolíticas, que ainda configuram o nosso espaço político, em torno do novo (para a altura) conceito de refugiado. (este conceito foi desenvolvido por Hannah Arendt em «Nós, os refugiados», comentado por Giorgio Agamben (1995) e merece ser revisitado no contexto da Palestina e da recente operação europeia, enquadrada nas políticas migratórias,  chamada «Mos Maiorum»)

 

Links

ALTER

AMICI

ARGIA

BIBLIOTECAS

EDUCAÇÂO

ITEM SPECTO

VÁRIOS

Sapatos, Figas e Pedras

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D