Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ARESTAS

ARESTAS

Todas mulheres, todas!

A 11 de Março, uma jovem tunisina mostrava que o seu corpo só lhe pertencia...


Fonte: http://stream.aljazeera.com/story/201303252145-0022635

 

A 5 de Abril, respondendo ao que Femen brandiu como uma das suas palavras de ordem « melhor nua do que a burka», outras mulheres respondem...

 

Fonte: http://stream.aljazeera.com/story/201304050033-0022659

 

Um vídeo ilustrando a conversa entre as diferentes percepções...

 

Fonte: http://stream.aljazeera.com/story/future-feminism-0022381


Enfim as percepções acabam por ser, genericamente, apenas duas que se opõem.

A primeira, amplamente valorizada pela Aljazeera devido à sua abordagem conciliadora, acaba por ser predominante, pelas posturas transmitidas via stream, e crítica, mas inclusiva no sentido em que não descarta as acções locais como um instrumento de luta da Femen em particular (de facto cada grupo faz o seu caminho!), mas revelando um rosto condescendente e uma postura sensivelmente prepotente quando refere os movimentos feministas nos EU, sua história e seus «erros» (aqueles que deveriam ter servido de exemplo para quem está informada) e outra defendida pela «leader» da Femen que parece (digo «parece», porque Inna Schevchenko não se exprime perfeitamente em inglês, o que poderá ser algo que limite aquilo que ela quer mesmo dizer e nos pode levar a falsas conclusões) procurar na acção directa um instrumento para concretizar os direitos (gerais...muito gerais, porque em nenhuma altura Inna fala de forma concreta, explicita e pragmática da luta delas na Ucrânia) das mulheres.

Voltando às palavras de Inna Schevchenko, se o «sextremismo» de Femen se quer constituir como uma arma, ou melhor utilizar o corpo da mulher explorado pelo patriarcado&Cia como uma arma, sendo um grupo que se criou num contexto ucraniano e querendo realçar as especificidades da opressão neste contexto regional, acaba por revelar alguma fragilidade ao querer se impor mundialmente como se bastava ser mulher do mundo para tirar a camisola, a camisa, etc., bastava ser mulher para querermos todas a «mesma coisa»? Não estou a ironizar, é uma verdadeira pergunta. O que é que nos une? A racha apenas ou algo mais para além da racha?

Houve vários aspectos que suscitaram a minha perplexidade no discurso de Inna S. Primeiro pelas contradições inerentes ao facto de Femen lutar num contexto específico, i.e. Ucrânia, e principalmente com jovens mulheres, mas confundir os espaços sociais e culturais perpetuando o erro do «desejo de supremacia» característico do mundo ocidental. Segundo, como considero o feminismo como um movimento de luta e conscientização com fortes ligações ao anarquismo e a práticas concretas tais como a acção directa (o que poderá ser o «sextremismo»), fiquei confusa com a excessiva expressão de uma liderança quando ela clama «Eu tenho um exército»...rectificado depois por «nós temos um exército»...

(para continuar...)

Divulgação: Conferência Libertária de Setúbal

Conferência Libertária Setúbal 2013 // 5, 6 e 7 de Abril



O momento social e político que atravessamos, na região portuguesa e na Europa, oferece-nos a austeridade e a crise como monstros avassaladores que dos quais é impossível fugir e que são impossíveis de ultrapassar. De facto, basta olharmos à nossa volta e lá está a austeridade a ser abanada tanto como solução para os problemas, pelos políticos no poder, ou como arma de arremesso e indignação, por uma esquerda que espera caçar votos à custa da miséria alheia. As sucessivas rotações na cadeira do poder estão aí para durar e neste momento, em Portugal, estamos possivelmente, na iminência de mais uma mudança de governo.
O que sabemos, de anos e anos da mesma história, é que independentemente de quem se sente na cadeira do poder, a exploração, como base fundamental da engrenagem da presente sociedade, está mais explícita, mais incómoda e mais violenta. 
Mas nós, continuamos a transportar um mundo novo nos nossos corações e, ao que parece, a tendência geral é a de que mais protestos tenham lugar nas ruas e que muitos deles se organizem de forma espontânea e horizontal.
Por isso, a presença das perspectivas e ideias libertárias é de extrema importância num mundo em mudança, enquanto contributos para a luta e a alternativa à violência deste sistema. É neste momento que mais urge debater, pensar e reflectir com o objectivo declarado de agir, ou seja, lutar contra e confrontar a exploração e a dominação que este sistema económico, social e político exerce sobre todos.  Da mesma forma, a recusa da autoridade como base da relação entre os seres humanos entre si, e destes com a natureza, a autonomia e a acção directa como métodos e pensamento, são as ideias que queremos desenvolver e propor.

Nos dias 5, 6 e 7 de Abril de 2013, terá lugar, em Setúbal, a Conferência Libertária.

Enquanto espaço de debate e discussão ela propõem-se aprofundar questões e a reflectir sobre a realidade que atravessamos na região portuguesa. Enquanto espaço de reflexão sobre o passado recente, ou não, pode dar-nos respostas para problemas e questões que nos permitam enfrentar o futuro. Enquanto espaço de convívio e troca de experiências ela procura aproximar pessoas, colectivos, grupos e projectos. Enquanto, simplesmente, conferência propõem-se a juntar diferentes e variadas perspectivas libertárias que, independentemente das diferenças, partilham a recusa da autoridade como ideia e método.
Assim, a CLS está aberta e é dirigida a todos os que se revêm na necessidade de uma prática, um ideário e uma experiência libertárias. Convida, da mesma forma, a participar e atender às variadas conversas, discussões e apresentações que decorrerão em espaços da cidade de Setúbal durante os dias em que terá lugar a CLS2013.

Links

ALTER

AMICI

ARGIA

BIBLIOTECAS

EDUCAÇÂO

ITEM SPECTO

VÁRIOS

Sapatos, Figas e Pedras

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D